y

(11) 2501-2688

info@bwexpo.com.br

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
BW - Expo Summit Digital
y

(11) 2501-2688

info@bwexpo.com.br

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish

A pandemia tem levado as pessoas a adaptarem suas vidas de maneiras que não haviam sido imaginadas até então. Ao mesmo tempo ela tem desafiado a humanidade a repensar os sistemas que sustentam a economia. Assim, nesta crise da Covid-19, a economia circular parece ser mais relevante do que nunca.

No artigo The Covid-19 recovery requires a resilient circular economy, Jocelyn Blériot, da Ellen MacArthur Foundation, descreve os motivos para a economia circular ser importante para recuperação após o fim da pandemia no mundo. Confira algumas avaliações do executivo da instituição.

Economia mais resiliente e circular

Embora, sem dúvida, abordar as consequências para a saúde pública seja prioridade, a natureza do esforço de recuperação econômica é igualmente crucial e suscita alguns interrogatórios. De fato, a retomada exigirá uma variedade de estratégias.

Entretanto, observando o cenário pré-Covid-19, fica claro que havia um movimento para uma redefinição do sistema, com um consenso visível sobre um modelo econômico mais resiliente, circular e de baixo carbono. Várias empresas investiram nesse caminho transformador, enquanto instituições e órgãos governamentais apresentaram propostas legislativas para permitir a transição.

Nesse sentido, a atual crise torna a economia circular mais relevante do que nunca, pois possui um número significativo de respostas economicamente atraentes. Os estágios iniciais da pandemia revelaram a fragilidade de muitas cadeias de suprimentos globais, como por exemplo, a de equipamentos médicos. Nesse caso, os princípios circulares fornecem soluções confiáveis, uma vez que políticas de projeto e produto, como reparabilidade, reutilização e potencial para remanufatura, oferecem oportunidades consideráveis ​​em resiliência (disponibilidade de estoque) e competitividade.

Equipamentos médicos

Um relatório da Mordor Intelligence mostra que o mercado global de dispositivos médicos recondicionados deve crescer mais de 10% ao ano entre 2020 e 2025. Isso representa uma chance de mercado e taxas mais altas de utilização de ativos – portanto, menos dependência de novas matérias-primas. A adoção dessas estratégias implica em redução de custos, mas também propiciam diminuir a emissão de gases de efeito estufa.

Como visto em países severamente atingidos pelo vírus, a capacidade de adaptar rapidamente instalações industriais e mudar a produção tem sido crucial. Considerar essa flexibilidade, ou seja, projetar ferramentas e produtos para serem reaproveitáveis ​​e versáteis, poderia ser uma maneira de aumentar o potencial de criação de valor.

Produção e distribuição de alimentos

Outro setor em que a economia circular parece particularmente relevante é a produção e distribuição de alimentos. O modelo agrícola atual depende de combustíveis fósseis e está construído em torno de cadeias de suprimentos, que envolvem transporte de longa distância, tornando-o vulnerável em situações como a pandemia, onde ocorreram fechamentos de fronteiras. Além disso, na Europa, por exemplo, a dependência das forças de trabalho estrangeiras sazonais mostrou-se um problema.

Com os bloqueios, certas cidades viram a necessidade de ter produtores pequenos e locais para atender os consumidores mais rapidamente. Portanto, parece oportuno explorar ainda mais esse potencial. Desse modo, investindo na produção periurbana e regenerativa, juntamente com a agricultura de precisão digitalmente habilitada.

Uma pesquisa da Ellen MacArthur Foundation apontou que a economia circular nessa área pode levar a uma redução de 50% do uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos até 2030 na Europa (em comparação com os níveis de 2012). Como resultado, haverá uma queda de 12% nas despesas domésticas e uma oferta de produtos alimentícios de maior qualidade.

Finalmente, a agricultura regenerativa também é uma força poderosa no arsenal de mitigação da crise climática. Isso porque estratégias de economia circular podem reduzir as emissões em 5,6 bilhões de toneladas de CO2. Isto representa uma diminuição de 49% nas emissões totais projetadas para 2050 do sistema alimentar.

Esses dois exemplos constituem apenas uma pequena mostra das possibilidades das estratégias de economia circular nos planos de recuperação pós-Covid19. Como os governos estão procurando maneiras de avançar, eles podem fazê-lo sem se desviar de seus compromissos de baixo carbono implementando essas ações. Afinal, há muitas áreas a serem exploradas.

Referência: Tradução livre de partes do artigo The Covid-19 recovery requires a resilient circular economy