Há décadas, incorporadores de imóveis e arquitetos vêm trabalhando para garantir construções mais sustentáveis. Agora, seu foco também está no efeito das edificações sobre as pessoas. Afinal, estudos demonstram que trabalhadores saudáveis tendem a ser mais produtivos. Esse conceito está por trás de uma tendência imobiliária ascendente: a de criar escritórios com estratégias de bem-estar mensuráveis.

Com isso, novos programas de certificação foram criados, entre os quais o Well Building Standard, introduzido em 2014 pela Delos, companhia imobiliária e de tecnologia. O sistema se baseia em pesquisas que demonstram de que maneira o ambiente afeta a saúde.

Referência

A nova sede da Delos, em Manhattan, Nova York, projetada pelo escritório Gensler, conta com 1.760 metros quadrados e abriga 70 funcionários, servindo como referência para o padrão Well.

Na recepção, uma tela de 1,90 por 3,50 metros instalada em uma das paredes mostra a temperatura, o nível de umidade e indicadores de limpeza, com dados de sensores espalhados pelo escritório.

O ar fresco, que passa por filtragem tripla, chega ao ambiente por fendas no solo, enquanto dutos no teto extraem o ar contaminado por dióxido de carbono. Há ainda plantas suspensas também ajudam a limpar o ar.

Além disso, no local, há mesas para trabalhar em pé. Já o piso inferior se conecta ao superior por uma escada de carvalho, encorajando o pessoal a subir a pé. “Eu certamente passo menos tempo sentado”, disse Paul Scialla, presidente-executivo da Delos. Depois de 18 anos como operador de títulos em Wall Street, Scialla fundou a empresa em 2014. Ele identificou um nicho inexplorado na intercessão entre os imóveis e o mercado de bem-estar.

O sistema Well tem critérios em sete categorias que promovem a saúde dos ocupantes do edifício, como por exemplo, a nutrição. Assim, se explica o pão integral e as maçãs orgânicas servidas no café da Delos. As outras categorias são: ar, conforto, fitness, luz, mente e água. Ademais, existe um manual de 282 páginas, que detalha o padrão.

A certificação de terceira parte é feita pelo Green Business Certification, que também certifica projetos de liderança em energia (conhecidos como LEED). O processo requer auditoria do escritório.Segundo a Delos, 954 projetos em 35 países foram registrados para o Well.

Outras certificações

Analogamente, existem outros padrões para comprovar a saúde dos escritórios. O Fitwel oferece um programa com metas semelhantes, mas sua origem e método são diferentes. Desenvolvido pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão do governo americano, o Fitwel se baseia em dados de saúde pública e é basicamente uma lista de verificação e pontuação.

Desse modo, o administrador do prédio insere informações sobre a edificação e submete provas. Os dados são analisados e o usuário recebe uma nota e uma lista de coisas que podem melhorar seu escritório.

A certificação Fitwel tem um investimento menor do que a Well. Enquanto a primeira tem um custo de US$ 500 e a certificação, de US$ 6.000; a segunda sai a partir de US$ 1.800 e a certificação, a partir de US$ 7.500.

Após transferir as atividades para um escritório com certificação Well, a Associação Americana de Designers de Interiores informou que obteve ganho de produtividade de 16%, além de maior engajamento dos funcionários e absenteísmo reduzido.

Por Jane Margolies

Matéria publicada originalmente no The New York Times, com o título How healthy is your office? 

Traduzida por Paulo Migliacci para Folha de São Paulo, com o título Empresas trabalham para deixar escritórios e funcionários saudáveis

Republicada pela Ca2 Consultores Ambientais Associados