A economia circular é uma tendência sem volta. Embora existam alguns padrões e iniciativas para segmentos, como a reciclagem, não existe atualmente uma visão global acordada sobre como uma organização pode completar esse círculo de reutilização e transformação. Por esse motivo, ano passado, a ISO (Organização Internacional de Normalização) formou um comitê de economia circular (ISO / TC 323). A proposta é criar uma norma técnica em economia circular, que deve ser publicada em março de 2023.

De fato, o aumento do consumo e dos produtos descartáveis ​​está exaurindo os recursos do planeta. Desse modo, é necessário realizar ações para diminuir esse fluxo. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, avançar para uma economia circular é a chave e uma oportunidade de trilhões de dólares, com enorme potencial de inovação, criação de empregos e crescimento econômico.

Uma economia circular é aquela em que é restauradora ou regenerativa. “Apesar de muitas organizações fazerem sua parte em termos de reciclagem ou fornecimento local, ainda há muito a ser feito para a economia verdadeiramente circular”, disse a presidente do comitê de economia circular da ISO, Catherine Chevauche.

De acordo com a presidente, para se ter um novo modelo econômico, as empresas precisam de um novo modelo de negócios. “O que falta é uma visão verdadeiramente global do que realmente é uma economia circular e um modelo que qualquer organização pode adotar”, explicou.

Comitê Técnico ISO

Composta por especialistas de mais de 65 países diferentes, incluindo o Brasil, o Comitê foi idealizado a partir de um seminário realizado pela AFNOR, membro da ISO na França, onde líderes empresariais de vários setores expressaram a necessidade de passar de um modelo de economia linear para um circular. Com isso, surgiu uma norma francesa, a XP X30-901 Economia circular – Sistema de gerenciamento de projetos de economia circular – Requisitos e diretrizes, que foi publicada em 2018. Logo após, devido a resposta positiva dessa norma, a ISO formou Comitê Economia Circular ISO / TC 323.

O comitê pretende produzir um conjunto de princípios acordados internacionalmente. Ao mesmo tempo, vai definir terminologias e uma estrutura do que é uma economia circular, e desenvolver um padrão de sistema de gestão. Também trabalhará em modelos de negócios e métodos alternativos para medir e avaliar a circularidade.

Conforme Catherine, há uma urgência reconhecida de avançar em direção a uma economia circular. “Os membros do comitê concordam que há uma necessidade de agir agora para desenvolver padrões nessa área o mais rápido possível”, disse.

A ISO / TC 323 visa cobrir todos os aspectos de uma economia circular. Ou seja, inclui compras públicas, produção e distribuição, fim da vida útil e áreas mais amplas, como mudança de comportamento na sociedade, e avaliação, como algum tipo de pegada de circularidade ou índice.

Certamente, o trabalho contribuirá para atender diversos itens dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Três exemplos são: ODS 12 Consumo e produção responsáveis; ODS 13 Ação climática e ODS 15 Vida em terra.

Foto: Shutterstock