Percebo há algum tempo que os métodos tradicionais, com sua exaustiva burocracia, documentação e formalidades, podem representar uma ameaça à clareza quanto aos reais valores que produtos e serviços podem trazer aos clientes. Dessa maneira, fui estudar métodos ágeis que podem ser aplicados na construção civil.

Sabe quando você planeja seu projeto com toda a atenção aos detalhes e prazos, com cada atividade ocorrendo em sequência, estabelecendo caminhos críticos e produzindo aquele ostentoso gráfico de Gantt (ou cascata)? Não tem como dar errado, certo? Errado! E você sabe disso.

Prazos são perdidos, caminhos críticos travam o processo, o cliente passa semanas ou meses sem saber o status de desenvolvimento. Como resultado, há uma entrega com qualidade aquém da esperada. Com isso, todo mundo perde. Isso acontece com você, com seus contratantes, com seus concorrentes. Acontece comigo também. De fato, alguma coisa está errada com a forma com a qual nos acostumamos a trabalhar e a gerenciar projetos.

Métodos Ágeis

Portanto, independente das ferramentas e artefatos escolhidos, a mentalidade ágil é o que mais vale. Se você não tem familiaridade com esses termos, segue uma breve definição. Em linhas gerais, os métodos ágeis, como, por exemplo, Scrum e o Kanban, focam na entrega contínua de valor ao cliente e valorizam a comunicação e interação de equipes. Além disso, eliminam burocracias desnecessárias e aceitam que responder à mudanças de curso ao longo dos processos de criação de um produto ou serviço é mais importante do que seguir scripts ou contratos engessados.

Por isso, nos últimos meses, na Ca2, temos explorado e implementado a cultura e os artefatos para um trabalho com base em métodos ágeis na construção civil. O Scrum, particularmente me cativou. Desse modo, estamos trazendo alguns de seus processos, para o nosso dia a dia de trabalho, um passo de cada vez.

Nesse sentido, recentemente fiz o excelente curso “Ferramentas Ágeis: Acelerando a Transformação Digital”, com Rodrigo Giaffredo, Agile Transformation Leader da IBM. Pela primeira vez, tive a clareza de como implementar métodos e culturas originalmente pensadas para a criação de softwares e produtos digitais, em minha área de atuação como consultor na construção civil.

Principalmente, me chamou atenção uma de suas colocações, que exprime exatamente a essência da cultura Ágil.

“A experiência do usuário é o que ele quer fazer com o que você entrega. Não é o que você entrega. O que você entrega é só um coadjuvante de alguma coisa muito maior que ele quer fazer”.

Certamente, o Manifesto Ágil é uma declaração de valores e princípios essenciais para o desenvolvimento de seu principal produto, o software. Ele foi criado em 2001 pela mente de 17 profissionais da indústria de tecnologia da informação, que já praticavam métodos ágeis.

Manifesto Ágil na Construção Civil

Sabemos hoje que métodos ágeis com base no Manifesto podem ser implementados com sucesso em outras indústrias. Sem dúvida, com a construção civil, engenharia e arquitetura não é diferente. Por outro lado, muitos autores discutem formas de aplicação dos princípios ágeis em outras áreas, mas não me deparei com nenhuma discussão de sua aplicação em nosso setor.

Dessa forma, resolvi dividir um pouco do aprendizado que obtive nos últimos meses. Assim, peço uma licença poética para editar os pilares e princípios do Manifesto Ágil original para nosso mercado. Por certo, esses princípios podem ser adotados por sua empresa, seja você incorporador, arquiteto, engenheiro, consultor ou construtor.

Então, os 4 pilares principais do Manifesto Ágil adaptados à nossa indústria são:

  • Indivíduos e interações valem mais do que processos e ferramentas
  • Projetos genuinamente bem feitos valem mais que documentação abrangente
  • Colaboração com o cliente vale mais do que negociação de contratos
  • Responder a mudanças vale mais que seguir um plano

O Manifesto Ágil não exclui os elementos do lado direito (ou final) das frases. Em outras palavras, valoriza mais os elementos à esquerda, ou início das frases.

Doze princípios

Conforme esses quatro pilares, pode-se derivar 12 princípios (novamente em livre adaptação):

  1. Nossa maior prioridade é satisfazer o cliente, através da entrega adiantada e contínua de informações e dados de valor.
  2. Aceitar mudanças de requisitos, mesmo no fim do desenvolvimento. Processos ágeis se adequam a mudanças, para que o cliente possa tirar vantagens competitivas.
  3. Entregar informações de valor e partes do projeto com frequência, na escala de semanas até meses, com preferência aos períodos mais curtos.
  4. Pessoas relacionadas à negócios (incorporadores), projetistas e consultores devem trabalhar em conjunto e diariamente, durante todo o curso do projeto.
  5. Construir projetos ao redor de indivíduos motivados. Dando a eles o ambiente e suporte necessário, e confiar que farão seu trabalho. (Isso vale tanto para equipes, quanto para as relações contratante-contratado)
  6. O método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para, e por dentro de um time de desenvolvimento, é através de uma conversa cara a cara.
  7. Projeto bem feito e compatibilizado, informações e dados precisos entregues são as medidas primárias de progresso.
  8. Processos ágeis promovem um ambiente sustentável. Os patrocinadores (ou incorporadores), projetistas e usuários, devem ser capazes de manter indefinidamente, passos constantes.
  9. Contínua atenção à excelência técnica e bom design, aumenta a agilidade.
  10. Simplicidade: a arte de maximizar a quantidade de trabalho que não precisou ser feito.
  11. As melhores arquiteturas, requisitos e designs emergem de times auto-organizáveis.
  12. Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.
Eficiência

Em resumo, esses princípios, se incorporados na cultura das empresas da indústria da construção civil, podem trazer extrema agilidade aos processos, reduzir custos (de contratado e contratante) ao aumentar a produtividade, reduzir erros e retrabalhos (de projeto e obra). É exatamente isso o que estamos vivenciando hoje na Ca2.

Cada agente dessa indústria e cada porte de empresa vão interpretar e aplicar de forma diferente os princípios do Manifesto Ágil à sua realidade e às suas possibilidades. O que vale é a essência e os valores! A Ca2 acredita nesses princípios e compartilhamos nossa cultura com colegas e clientes através de nossos projetos.

Update or Die!

Por Marcelo Nudel

Fonte: Ca2 Consultores Ambientais Associados