(11) 2501-2688 info@bwexpo.com.br Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish

A curadora do Núcleo Temático Transformação Energética – Hidrogênio da BW 2020, Monica Saraiva Panik, redigiu novos artigos para a Série Informativa sobre a Estratégia Nacional Alemã para o Hidrogênio, uma iniciativa da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Rio de Janeiro (AHK Rio). No começo deste mês de agosto, publicamos um post sobre esse convite recebido pela especialista.

Naquele período, Monica havia redigido três artigos: Introdução, Metas e Objetivos e Setores Estratégicos. Agora, na página específica da iniciativa no site oficial da AHK Rio, os leitores podem ler mais três artigos. São eles: Plano de Ação: Geração de H2, Plano de Ação para o Setor de Transporte e Plano de Ação para o Setor Industrial.

Planos de Ação

O quarto artigo trata de quatro medidas descritas no Plano de Ação para a geração de hidrogênio. De acordo com o texto de Monica, uma produção confiável, acessível e sustentável de hidrogênio é a base para a sua utilização futura. Assim, a construção de plantas de geração para demonstração de tecnologias em escala industrial é necessária, a fim de conseguir uma redução significativa dos custos na geração de hidrogênio.

Na sequência, está o quinto artigo, com apontamentos de nove medidas relacionadas ao setor de transporte. Isso porque esse segmento é fundamental, uma vez que “a escalada do mercado do hidrogênio deve ocorrer de forma direcionada e gradual, sendo, portanto, promovida em áreas prioritárias de aplicação”. Monica explica que, em áreas prioritárias, o hidrogênio é economicamente viável a curto e médio prazo por não depender de fatores externos. Além disso, em alguns desses segmentos não existem opções alternativas de descarbonização.

Por fim, a curadora da BW 2020 aborda no sexto artigo as medidas relacionadas à indústria. Ela ressalta que a descarbonização de alguns setores industriais não ocorrerá com a utilização de tecnologias convencionais. Portanto, nessas áreas, haverá a necessidade de substituição das atuais fontes de energia gasosa e líquida. E, nesse sentido, o hidrogênio e seus derivados serão importantes. Em seu artigo, Monica traz diversos exemplos de indústria, como a química e refinarias, que podem substituir o hidrogênio “cinza” pelo verde sem a necessidade de adaptação.

Conforme explicou Monica no post sobre o convite recebido, o hidrogênio está sendo considerado como a solução para descarbonizar a economia. “E a Alemanha já iniciou esse processo, devendo ser um grande importador de energia no futuro. Para tanto está construindo parcerias internacionais com foco no tópico “hidrogênio verde””, disse.

Vale a pena ler todos os artigos da série! Confira neste link.