A União Europeia está empenhada em cumprir os objetivos estabelecidos no Acordo Verde Europeu (European Green Deal). Desse modo, um novo Plano de Ação para a Economia Circular na UE foi lançado no dia 11 de março. A Comissão Europeia pretende, assim, tornar sua economia adequada para um futuro verde, fortalecendo a competitividade, protegendo o meio ambiente e dando novos direitos aos consumidores.

A economia circular é considerada um dos principais pilares do Acordo Verde Europeu. Dessa maneira, o novo plano conta com medidas ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos. Baseado no trabalho realizado desde 2015, ele se concentra no design e na produção, com o propósito de garantir que os recursos utilizados sejam mantidos circulando pela economia europeia pelo maior tempo possível.

“Com o plano de hoje, lançamos ações para transformar a maneira como os produtos são feitos. Além disso,  capacitar os consumidores a fazer escolhas sustentáveis ​​em benefício próprio e do meio ambiente”, disse o vice-presidente executivo do Acordo Verde Europeu, Frans Timmermans.

Ele afirmou ainda que para alcançar a neutralidade climática até 2050 é necessária uma economia totalmente circular. “Hoje, nossa economia ainda é majoritariamente linear, com apenas 12% dos materiais e recursos secundários sendo trazidos de volta à economia”, explicou.

De acordo com o comissário para o Meio Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius, o novo plano tornará a circularidade um ponto principal das vidas e acelerará a transição verde da economia. “Oferecemos ações decisivas para mudar o topo da cadeia da sustentabilidade, ou seja, o design de produtos. Ações orientadas para o futuro criarão oportunidades de negócios e emprego, darão novos direitos aos consumidores europeus, aproveitarão a inovação e a digitalização e, assim como a natureza, garantirão que nada seja desperdiçado”.

Medidas

A transição para uma economia circular já está em andamento, com empresas pioneiras, consumidores e autoridades públicas na Europa adotando esse modelo sustentável. O novo plano de ação para economia circular na UE conta com algumas medidas.

Em primeiro lugar, a Comissão proporá uma legislação para um Política de Produtos Sustentáveis. O objetivo é garantir que os produtos colocados no mercado sejam projetados para ter maior durabilidade, sendo mais fácil sua reutilização, conserto e reciclagem. Nesse sentido, será incentivada a aplicação de material reciclado, o máximo possível, ao invés de matéria-prima original.

Em segundo lugar, a UE pretende capacitar os consumidores, por meio do acesso à informações confiáveis sobre questões ligadas à economia circular. Com por exemplo, a reparabilidade e reparabilidade e durabilidade dos produtos para ajudá-los a fazer escolhas ambientalmente sustentáveis. Os consumidores se beneficiarão de um verdadeiro “direito ao reparo”.

A garantia de menos desperdício é uma terceira medida. A Comissão explorará a definição de um modelo harmônico para a UE nas áreas de coleta seletiva de resíduos e rotulagem.

Por fim, a UE focou nos setores que mais utilizam recursos primários e naturais e nos segmentos onde o potencial de circularidade é alto. São eles: plásticos, embalagens, baterias e veículos, eletrônicos, têxteis, construção e alimentos.

Uma economia circular é uma condição prévia para atingir a meta de neutralidade climática até 2050. Metade das emissões totais de gases de efeito estufa e mais de 90% da perda de biodiversidade e do estresse hídrico são provenientes da extração e processamento de recursos. Até 2030, a Comissão Europeia espera criar 700 mil empregos através da nova iniciativa.

Referência: Tradução livre de European Comission – Changing how we produce and consume: New Circular Economy Action Plan shows the way to a climate-neutral, competitive economy of empowered consumers

Ilustração abre: European Commission