Atualmente, apenas 2% do total de resíduos sólidos urbanos (RSU) produzidos é reciclado. O restante é destinado a lixões e aterros sanitários. Contudo, esse percentual poderia ser maior. De acordo com a Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos (Abren), as usinas WTE (Waste-to-Energy) estimulam a reciclagem. Isso porque os países com maior índice de reciclagem são justamente aqueles que mais utilizam usinas WTE.

Esse resultado é alcançado porque a incineração de RSU, por exemplo, permite que 9% das cinzas sejam reaproveitadas para a construção civil para a pavimentação. E, de 10 a 15% dos metais ferros e não ferrosos são reaproveitados somente se passarem por uma usina WTE.

Gestão mais sustentável do RSU

Além da questão do aumento da reciclagem e reaproveitamento de materiais, o uso de tecnologias WTE pode contribuir para uma gestão mais sustentável de RSU. Nesse sentido, uma usina WTE auxilia no encerramento de atividades dos lixões, que causam malefícios à saúde humana e problemas ambientais nos locais onde estão instalados.

No caso dos aterros sanitários, especialistas apontam que praticamente nenhum aterro no Brasil seria licenciado com os padrões europeus ou americanos. O motivo: inexistência de uma definição federal do que seria um aterro e quais são os requisitos para o seu licenciamento ambiental. Outro ponto é que para ser considerado um aterro, é preciso haver a captura do metano emitido, seja para gerar eletricidade ou biometano, ou mesmo apenas que ele seja queimado no flare para não ir à atmosfera.

Dessa maneira, as usinas WTE estimulam a reciclagem de RSU. Além disso, a legislação nacional não permite que as usinas façam uso de tais materiais. Na prática, o objetivo dessa tecnologia é que os RSU, que são destinados aos aterros, após processo de reciclagem – seja manual pelos catadores ou seja mecanizado – sigam para as usinas WTE.

Em se tratando da coleta, a usina WTE também será uma aliada, já que a tecnologia é responsável pela destinação final ambientalmente adequada do RSU.

Atualmente, o valor da taxa paga aos aterros e aos projetos de usinas WTE é similar. Esse montante gira em torno de R$ 90,00 a 110,00 a tonelada. Entretanto, em alguns casos, o valor pode ser menor a depender do porte da usina WTE.

Por Yuri Schmitke Almeida Belchior Tisi

Foto: PR-Inside